sábado, 2 de maio de 2015

Meu lar


Oi, gente!
Sabe aquele momento em que você se encontra em um beco sem saída? Tudo que você planejou e fez durante sua vida não deu certo e não te restou nada além de cansaço e vontade de desistir? Não sobrou nem resquícios de esperança.

Voltando para Casa


Tantas vezes fugi, buscando conhecer uma liberdade que não tinha ao seu lado. Procurei por tantos lugares diferentes, muitas mudanças em um curto período de tempo. Dirigi pelos estados, procurando a paz longe da sua presença e subornando policiais para que não revistassem meus poucos pertences. Ás vezes, dava certo. Outras, eles queriam algo mais que eu não podia nem queria fornecer e eu estava bem encrencada.
Conheci tantas pessoas legais, reencontrei-me com amigos queridos. Descobri como as pessoas podem ser cruéis sem ganhar nada em troca e fazem isso com sorrisos falsos nos lábios, te abraçam e te desejam o melhor. Levei rasteiras da vida, é possível encontrar resquícios da poeira de cada lugar em minha roupa. Fui acolhida pelas pessoas mais improváveis e mais carinhosas que existem por um período muito curto. Eu precisava continuar. Fugindo de uma realidade que me puxava cada vez mais pra perto de você.
Não sabia mais o que fazer ou para onde ir. Fui despejada daquele pequeno quarto alugado, minhas coisas deixadas do lado de fora e a fechadura trocada. A desculpa do despejo foi que não me adequei as regras do lugar e portanto deveria seguir meu caminho de uma maneira nada cordial. Mas para onde eu iria? Todas as portas se fecharam, até meu carro foi roubado.
Você me encontrou e cuidou de mim quando ninguém mais queria ter esse trabalho. Sua loucura ainda me machuca, mas tens tratado minhas feridas com zelo dobrado. Ofereceu sua casa, sua vida, seu dinheiro... Seu coração! Estou refazendo minha vida, juntando os cacos da minha alma quebrada e tentando desesperadamente consertar algo que nunca mais será da mesma maneira. Deus tem seus desígnios e talvez eu tenha esquecido ou simplesmente ignorado o desejo dEle para mim. Estou vivendo as consequências dos meus atos, debaixo do Seu carinho e consolo, finalmente reconhecendo que preciso desse tempo para descansar minha mente e elaborar meu futuro. Passo a passo, como uma criança aprendendo a andar. Lenta e desajeitadamente, mas completamente decidida a ser uma nova pessoa. 



Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. Lucas 15.24a